Tuesday, March 26, 2013

Leaderboards & Educação

A propósito do caso de estudo para o GamFed sobre uma aplicação do Leaderboarded - TechHub Google Campus Noise Meter - ficam aqui algumas considerações sobre o uso deste tipo de mecânica/elemento de jogo no contexto da educação. O primeiro problema tem a ver com o objetivo de usar tabelas de liderança (uma tradução possível para leaderboards). Este elemento de jogo apela sobretudo à competição entre os jogadores (e também ao status individual) mostrando a posição de cada um face a um qualquer critério. A competição entre alunos (que existe mesmo que não se apele a ela diretamente) não é normalmente bem aceite, sobretudo nos primeiros anos de escolaridade. Mas há formas de usar as tabelas de liderança. Em Leaderboards in Education: What are its applications? são dados alguns exemplos que vale a pena analisar.

Como exemplos de aplicação são referidos a angariação de fundos para uma qualquer iniciativa da escola (não implica nenhum tipo de competição em contexto académico) ou atividades de grupo (dilui a possibilidade de competição individual). Os outros exemplos implicam a associação a um sistema de pontos, nomeadamente, para premiar comportamentos desejados (p.e. assiduidade).


Sobre a associação de tabelas de liderança a um sistema de pontos fiz já uma experiência mencionada aqui e que juntou uma aplicação do Leaderboarded com o ClassDojo (ver o blogue criado para o efeito). A tabela de liderança foi baseada em dados armazenados numa folha de cálculo do GoogleDocs, uma das fontes de dados possível para o Leaderboarded). Os dados consistiam em pontos obtidos individualmente (a partir dos resultados do ClassDojo, premiando comportamentos desejados e penalizando os indesejados) e pontos obtidos em tarefas de grupo.


Relativamente a forma de aplicar as tabelas de liderança, estas podem ser absolutas ou relativas (ver Gamification a Little on Leaderboards). Estas últimas têm como objetivo evitar a desmotivação dos jogadores pior classificados (apenas se comparam relativamente a outros no mesmo nível).

Sobre a contribuição para o caso de estudo do TechHub Google Campus Noise Meter destacou-se a importância deste tipo de ferramentas de gamification deverem ser usadas em conjunto com outras ferramentas. A aplicação de um único elemento de jogo (a tabela de liderança) não conduz a uma experiência de gamification completa, como é óbvio. Este elemento de jogo integra o que Kevin Werbach designa por PBL Gamification (PBL de Points, Badges e Leaderboards) ou BLAP Gamification (BLAP - Badges, Levels and Leaderbords, Achievements and Points) por Scott Nicholson (ver referências aqui). Este tipo de elementos de jogos apelam sobretudo para a motivação extrínseca e portanto devem ser aplicados numa estratégia de curto prazo e tendo em conta que podem reduzir a motivação intrínseca. De qualquer forma, o apelo à motivação extrínseca pode ser usado de forma positiva e o Leaderboarded é sem dúvida uma ferramenta de gamification a ter em conta.

A apresentação abaixo descreve bem as diferenças entre motivação intrínseca e motivação extrínseca e o seu impacto em aplicações de gamification:


No comments:

Post a Comment